terça-feira, 8 de agosto de 2017

Gênero, Feminismo, Interseccionalidade nas linhas de estudos GEPEM/UFPA

Intencionando contribuir e continuar com os debates sobre o feminismo interserccional e as inúmeras questões de gênero que norteiam nossa sociedade e cultura, nas atividades da linha Gênero, Feminismo e Interseccionalidade/ GEPEM, destacamos as categorias de gênero, raça, classe e as diferenças culturais Interseccionada nos debates de gênero. Pretende-se discutir esses conceitos na abordagem decolonial, que apresenta uma especificidade da América Latina e Caribe e, também, os debates que se coadunam com o feminismo negro. O primeiro minicurso deste ciclo está centrado no tema “Não sou eu uma mulher?” tendo como bibliografia o livro de Bel Hooks, “Não sou eu uma mulher. Mulheres negras e feminismo”. O minicurso ocorrerá nos dias 21 e 22 de agosto, das 14h às 17h, na sala 15 dos altos do IFCH.

Estratégia metodológica: apresentar os pontos centrais dos 5 capítulos, interagindo com imagens e vídeos que possam representar os conceitos mais fecundos da obra.


Link do livro: https://goo.gl/Ymx1se

sexta-feira, 4 de agosto de 2017


SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS
    GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS “ENEIDA DE MORAES” SOBRE MULHER E RELAÇÕES DE GÊNERO - GEPEM/UFPA

AVALIAÇÃO 2017 - PROVAS E OUTROS DOCUMENTOS -

MATRÍCULA DO/A CANDIDATO/A
PROVA ESCRITA
ENTREVISTA
HISTÓRICO
CURRICULO
MÉDIA
201605540070
10,0
10,0
6,5
8,0
8,6 (BOM)
201505540022
8,0
8,0
8,0
7,0
7,6 (BOM)
201605540010
7,0
7,0
8,0
7,0
7,3 (BOM)
AUSENTES
Paula Maira Alves Cordeiro





Ana Paula de Brito Oliveira





Jadson Lobato Gonçalves





Letícia Monteiro Pimentel
(Fora do Edital)




Eliandra Gleice Passos Rodrigues






Obs: Considerando a avaliação integral de alunas e alunos que se inscreveram para o preenchimento de duas (bolsas) de pesquisa PIBIC /CNPq foi elaborada uma prova escrita, um roteiro para entrevistas, analisando-se ainda os documentos Histórico Escolar e Currículo apresentados.
O artigo abaixo, do Regimento da UFPA, considera que:
Art. 178. Para fins de avaliação qualitativa e quantitativa dos conhecimentos serão atribuídos aos alunos da graduação e da pós-graduação os seguintes conceitos, equivalentes às notas:
EXC – Excelente (9,0 - 10,0)
BOM – Bom (7,0 - 8,9)
REG – Regular (5,0 - 6,9)
INS – Insuficiente (0 - 4,9)
Destarte, a coordenação do projeto atribuiu a nota especifica do Regimento considerando o teor do processo interno.
No referente ao histórico, houve avaliação das reprovações (o n° de reprovações e dos semestres). Agradeço às/aos participantes da seleção.
Belém, 04 de agosto de 2017
Coordenadora do Projeto

Maria Luzia Miranda Álvares 

sexta-feira, 21 de julho de 2017

PRORROGADO O PRAZO PARA INSCRIÇÃO DE BOLSISTAS - GEPEM


Foram prorrogadas até o dia 26/07 as inscrições de candidatas/os a bolsistas para o projeto: “Efetividade das políticas públicas e superação dos entraves na articulação dos Serviços de Atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar na Região Metropolitana de Belém (2007-2014)" - CNPq - Processo: 409572/2016-0 - Chamada Universal. A prova escrita será as 9:00 h do dia 27/07, e a entrevista as 15 h desse mesmo dia.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

VAGAS ABERTAS PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS


No período de 18 até 22/07 o GEPEM inscreve candidatos/as a bolsistas para o projeto : “Efetividade das políticas públicas e superação dos entraves na articulação dos Serviços de Atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar na Região Metropolitana de Belém (2007-2014)" - CNPq - Processo: 409572/2016-0 - Chamada Universal. 

quarta-feira, 5 de julho de 2017

II Sialat 2017 - SEMINÁRIO INTERNACIONAL AMÉRICA LATINA : POLÍTICAS E CONFLITOS CONTEMPORÂNEOS


  
II Sialat abre chamada para envio de resumos.
A segunda edição do Seminário Internacional America Latina: Políticas e Conflitos Contemporâneos - Sialat 2017 tem como tema "Colonialidade, Poder e Territórios" e ocorrerá de 27 a 30 de novembro, em Belém, no Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, da UFPA. O objetivo do encontro é ampliar o debate das Ciências Humanas no Brasil em temas relevantes para o entendimento da América Latina, para isso, a organização do evento torna público a chamada de resumos de trabalhos. O Sialat 2017 contará com 13 Grupos de Trabalhos e quatro grandes mesas-redondas. Informações sobre submissão de resumos aqui

ENVIO DE RESUMOS  - ATÉ O DIA 30/07

Confira dos GTs´do II Sialat:
GT 01 - Estado, políticas e novas configurações do mercado na América Latina.
Ementa: O Grupo de Trabalho Estado e suas políticas tem como objetivo reunir trabalhos de caráter teórico ou empírico que estejam relacionados a perspectiva de desenvolvimento e da ação do Estado através de suas políticas e como estas impactam a vida social e atendem ou não a questões da desigualdade social. O GT contempla várias abordagens, de estudos de caso de políticas específicas às análises comparativas entre políticas e períodos históricos, nas diferentes esferas do governo. Contempla ainda as análises sobre as tensões e os conflitos na relação Estado e sociedade, atores, dinâmicas, participação e poder local, controle social e limites da democracia no Brasil e em outros países da América Latina.
GT 02 - Movimentos sociais e lutas sócio-territoriais: olhares sobre a África e a América Latina.
Ementa: Este GT propõe-se a debater trabalhos sobre realidades e categorias analíticas que discorram sobre instrumentais teórico-metodológicos nos estudos sobre atores locais e como organizam suas redes de atuação políticas, reatualizando as lutas sociais.  Nesse contexto o GT contempla estudos sobre diferentes formas de organização social e em que contextos os atores locais desenvolvem lutas sócio-territoriais, urbanas, rurais e étnicas na defesa de direitos, a exemplo de povos indígenas, grupos quilombolas, comunidades tradicionais sob os impactos de projetos de desenvolvimento.
GT 03 - Colonialidade e grandes obras de infra-estrutura: hidrelétricas, portos, hidrovias, rodovias e ferrovias.
Ementa: Este GT se propõe discutir concepções predominantes na Pan-Amazônia, com extensão para demais países da América Latina, no que tange ao planejamento, implantação e operacionalização de grandes projetos hidrelétricos e de mineração. Interessa reunir trabalhos que revelem questões e conflitos sociais que problematizem os políticos, ambientais e mesmo econômicos relacionados às grandes obras, mobilidade do trabalho, do capital, conflitos entre esferas de poder, violência institucional e social, precarização de direitos e da cidadania.
GT 04 - Natureza, sociedade e direitos: políticas e conflitos na América Latina e na Pan-Amazônia. 
Ementa: O GT procura atrair trabalhos que tenham sido feitos com a intenção de entender de maneira crítica a profusão de discursos sobre meio ambiente e sobre sustentabilidade, entre outros conceitos que têm sido produzidos e incorporados ao debate sobre meio ambiente e seus impactos, e a relação entre sociedade, economia e natureza. A ideia é entender, em uma perspectiva interdisciplinar, a relação entre os agentes do campo ambiental, e revelar os sentidos que têm orientado estas relações sociais, os conflitos, as ideias evolucionistas presentes e como as relações coloniais perpassam os discursos de sustentabilidade intra e inter regiões e localidades. São bem vindos trabalhos sobre conflitos socioambientais (água, mineração, energia, mudanças climáticas, mercado de carbono etc) e trabalhos sobre políticas ambientais, estratégias de controle social e gestão de territórios.
GT 05 - Mineração, desastres e neoextrativismos na América Latina.

Ementa: O GT visa debater a mineração na América Latina e o seu papel no mundo atual, principalmente na produção de desigualdades, riscos, violências e expropriações na realidade contemporânea. Além disso, o GT visa discutir os limites da política de mineração e contribuir com movimentos sociais, de forma a questionar e negar as bases dessa política desenvolvimentista e extrativista insustentável e socialmente injusta. 
GT 06 – A Mídia, produção de imagens e estratégias de discursos em disputa.
Ementa: Este GT tem o propósito de debater trabalhos que tragam uma contribuição de pesquisa sobre a mídia e a construção de imagens, informações e confrontos no sentido de desvelar processos e discursos sobre as relações entre comunicação e política, comunicação e meio ambiente. O GT acolhe trabalhos com base em pesquisas empíricas, teóricas e reflexões que tenham como objetivos entender a dimensão discursiva e simbólica da mídia na relação com a política, de que forma esses discursos transitam e sua relação com a construção da democracia na Pan-Amazônia e na América Latina.
GT 07 – Cidades e transformações do urbano na América Latina.
Ementa: O campo da vida urbana tem sido um dos temas centrais nas análises das ciências sociais abrigando várias abordagens pela sociologia, antropologia, ciência política, geografia e pelo campo do urbanismo, permitindo conhecer a diversidade da cultura urbana como mostram os estudos realizados nos diferentes países da América Latina, com abordagens quantitativas e/ou qualitativas. Pretende-se com este GT discutir trabalhos resultantes de pesquisa teórica ou empíricas sobre a vida urbana, considerando categorias chave como tempo, espaço, identidade, singularidade, diferença, cotidiano, cultura, economia urbana e global, política e planejamento urbano e regional. O GT contempla ainda trabalhos que abordem as manifestações políticas nas cidades, ou em seu entorno mas a elas articuladas, visando fomentar o debate crítico sobre o urbano e limites  e potencialidades da ação política e da democracia.
GT 08 – Migração, mobilidade e deslocamentos: exclusão social, diferenças culturais e ação política.
Ementa: Este GT procura criar discutir processos recentes de mobilidade de população – desde as migrações regionais e nacionais até as migrações internacionais que têm sido retornadas recentemente como tema relevante no entendimento da relação entre política e deslocamentos. Tema que envolve, de forma central, a relação entre Estados nacionais e a sociedade civil, relação entre história, legislações e lutas territoriais no plano inter regiões, tornando os conflitos atuais como questões internacionais.
GT 09 – Pensamento social e imaginário na América Latina.
Ementa: Este GT pretende reunir trabalhos que busquem entender dimensões do pensamento social brasileiro e latino-americano voltado a grandes temas contemporâneos. Busca colocar em debate categorias, teorizações e interpretações sobre a sociedade e como esses elementos interferem no entendimento da realidade social. O GT pretende formular uma agenda de pesquisa sobre o tema, visando compreender as complexas e crescentes tensões entre movimentos sociais e Estado observada desde manifestações de ruas a mobilizações mais organizadas em diversos países latino-americanos nas últimas décadas.Entre eles são bem vindos estudos críticos sobre narrativas históricas e a produção de sentido sobre desenvolvimento na América Latina; interpretações sobre novos processos de ocupação dos territórios,  conflitos, tensões geopolíticas, processos de integração na América Latina e Caribe; colonialismos,  imperialismos e processos de desestabilização; povos originários, etnias e neocolonialismo: as lutas dos movimentos sociais, plurinacionalismo e refundação do Estado.
GT 10 – Campesinato e conflitos fundiários na América Latina.
Ementa: Nas últimas décadas governos nacionais, juntamente com grandes empresas, ampliaram seu campo de atuação com a instalação de projetos de desenvolvimento regional observando-se a produção de conflitos na medida em que eles avançam sobre os territórios de povos de povos tradicionais (indígenas, quilombolas, pequenos produtores familiares, ribeirinhos, pescadores, etc), verificando-se impactos significativos sobre as cidades e os territórios urbanos.  Interessa ao GT analisar as novas formas de mobilização e de produção de processos coletivos de enfrentamento visando garantir seus projetos de vida coerentes com suas próprias demandas.
GT 11 – Gênero, colonialidade e teorias feministas na América Latina.
Ementa: O GT visa discutir a perspectiva crítica da colonialidade do poder como chave analítica para a América Latina, e tem como linhas de investigação o questionamento do pensamento eurocêntrico e as opções cognitivas contra racionalidade moderna, que abrem a possibilidade de construir novas áreas de investigação. Nesse quadro, o GT visa destacar as descolonialidades feministas na América Latina, que envolvem uma reavaliação dos conhecimentos e outras possibilidades de resistência, bem como propõem uma mudança nas discussões sobre as teorias do gênero, descentralizando o olhar sobre os feminismos eurocentrados que não dão conta de análises que relacionam gênero e raça, identidades de gênero e identidades culturais.
GT 12 - Cultura, mercados, tradições e turismo na América Latina.
Ementa: O GT acolhe trabalhos que tratem das dimensões da problematização da cultura e sua relação com a política e o mercado. Artigos sobre cultura e mercados populares e sobre processos de aprofundamento das políticas e estratégias de turismo voltadas para este cenário. Serão bem vindas reflexões que tratem da colonialidade de saberes, das tradições e da cultura, e que valorizem a sociobiodiversidade da América Latina, seus povos e sua memória social.
GT 13 - Trabalho, mercado de trabalho e desemprego: novas regulações, novas formas de dominação? 
Ementa: O GT se propõe a fazer um balanço do tema trabalho no contexto das novas agendas econômicas na América Latina, em especial, de precarização do trabalho e perda de direitos, bem como o crescimento do desemprego e a mutação do mercado de trabalho. Há interesse em problematizar o tema na perspectiva das ciências sociais numa visão crítica e interdisciplinar, no sentido de estudar as formas de apropriação, dominação e subjetivação envolvidos no debate.






CICLO SIMONE DE BEAUVOIR – 05-07-2017



A Linha de Pesquisa GEPEM/UFPA – Gênero, Feminismo, Interseccionalidade entrará em recesso no mês de julho, tendo sua última atividade do semestre nesta quarta, 05/07, sob o tema "Cultura religiosa: a invenção das mulheres como deusas e musas".
O seminário será dia 05/07, quarta-feira, de 14h às 17h, no GEPEM, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - IFCH (altos), UFPA, e abordará o vol. 1 de “O Segundo Sexo”, de Simone de Beauvoir, das páginas 219 a 230.
As atividades desta linha de pesquisa retornam em agosto, dando continuidade a este estudo dirigido.
Aguardamos sua presença!
Texto disponível em:

Vol. 1: https://goo.gl/4UP6zW

sexta-feira, 5 de maio de 2017

SEMINÁRIO : “O CINEMA DE JORANE CASTRO E AS IMAGENS FEMININAS EM “PARA TER ONDE IR”


Palestrante: Jorane Castro

Dia: 09/05/2017 (terça-feira)
Hora: 14 às 17:00h
Local: Auditório do Laboratório de Filosofia, no IFCH/UFPA (altos)
Aberto ao público interessado.
 
No dia 09/05 (terça-feira), o GEPEM/UFPA estará apresentando o seminário: “As imagens femininas nos filmes de Jorane Castro”. O foco estará no seu último filme, “PARA TER ONDE IR ” (Brasil, 2016), com exposição da própria diretora. Embora sem ter sido lançado comercialmente em Belém, esse primeiro filme de Jorane Castro repercute imagens de mulheres que buscam objetivos diferentes nos caminhos que percorrem. O que está dizendo a diretora com essa argumentação?
Nos estudos realizados sobre enfoques de “O Segundo Sexo” de Simone de Beauvoir (1º Livro) as participantes se interessaram na abordagem de Jorane Castro, considerando que algumas já conheciam alguns de seus curta-metragens com aspectos que contrariam os modelos femininos estudados em Beauvoir. Então propuseram um exercício prático na discussão sobre: Quem são essas mulheres que buscam seus caminhos em “Para Ter Onde Ir”?

Certificado às/aos participantes

SINOPSE

No Pará, a história de três amigas inseparáveis e completamente diferentes: Eva Maués, uma mulher formal e madura cheia de incertezas; Melina Ribeiro, uma mulher livre que busca o grande amor; e Keithylennye, que por infortúnios da vida teve que abandonar sua adorada função de dançarina de tecnobrega. (cf. http://www.adorocinema.com )


segunda-feira, 10 de abril de 2017

Grupo de Estudos - O Segundo Sexo

A Linha de Pesquisa GEPEM/UFPA – Gênero, Feminismo, Interseccionalidade terá no dia 11/04, terça-feira, de 14h às 17h, no GEPEM, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - IFCH (altos), o estudo dirigido de “O Segundo Sexo” (vol.1), de Simone de Beauvoir, da pág. 177 a 189.

Essa linha de pesquisa, como as demais do GEPEM, está aberta a quem se interessar por esses estudos iniciais sobre a situação da cultura do patriarcado e a gênese dos problemas da homofobia.

Aguardamos sua presença!

Texto disponível em:
Vol. 1: https://goo.gl/4UP6zW


quarta-feira, 29 de março de 2017

Pesquisadora do GEPEM/UFPA fala sobre feminicídio


A Pesquisadora do GEPEM/UFPA, Adriane Lima, fala sobre o feminicídio Matéria exibida no dia 14/03/2017 no Programa Sem Censura da TV Cultura.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

CELEBRAÇÃO DO DIA INTERNACIONAL DA MULHER - GEPEM/UFPA





Dia 7 de março de 2017 (terça-feira)

MANHÃ

9:00h - Abertura – Profa. Luzia Álvares
Local: Auditório do Curso de Filosofia - (IFCH / Campus do Guamá - UFPA

MESA REDONDA

Das práticas misóginas ao feminicidio: o ciclo permanente da violência contra as mulheres.

TEMA 1

Metodologia e Teoria nos estudos sobre a Lei Maria da Penha – entre pesquisa e práticas em Belém e no Amapá

Expositoras
Juliana Damasceno – bolsista FAPESPA/UFPA/GEPEM
Thainá Menezes – Bolsista PROAD/UFPA/GEPEM
Ivonete Pinheiro – Bolsista Voluntária - GEPEM
Carla Ramires - Graduada em Política e Relações Internacionais/PUC-SP

Coordenadora – Dra. Maria Angélica Motta-Maués – PPGSA/GEPEM/UFPA
Debate

TARDE
Hora: 14h30
Local: Auditório do Curso de Filosofia - IFCH (altos) UFPA

TEMA 2

Misoginia, Feminicidio E A Cultura Da Violência Contra As Mulheres: O Que Dizem A Lei, A Mídia, O Direito E O Movimento De Mulheres

Expositoras :

Dra. Janice  Maia de Aguiar (DEAM) - A Lei Maria da Penha : efetividade e avanços
Aline Maneschy Macambira – Feminicidio: uma análise jurídica de proteção à mulher
Márcia Carvalho – Feminicidio : a Violência Contra a Mulher na Mídia
Antonia Salgado: “Nem Uma A Menos”: Os Movimentos de Mulheres e a luta contra a violência doméstica

Coordenadora: Dra. Adriane Lima – UEPA / GEPEM/UFPA
Coffee break

Debate

domingo, 19 de fevereiro de 2017

SEM DISTINÇÃO DE SEXO, SEM LIBERTADE, SURGEM FORTES PERSONALIDADES, NO INDIVIDUALISMO RENASCENTISTA



II PARTE — HISTÓRIA - “O SEGUNDO SEXO”, de Simone de Beauvoir (Livro 1 - Fatos e Mitos) , pags. 132 a 140)

Seminário – 21/02/2017
Hora: 14 às 17h
Local: Sala do Gepem

METODOLOGIA: Estudo dirigido com discussão sobre os pontos levantados no debate.


LINHA DE PESQUISA/GEPEM - GÊNEROS, FEMINISMOS, INTERSECCIONALIDADE

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

CINE-GÊNERO : UM LIMITE ENTRE NÓS (Fences, 2016)

Denzel Washington e Viola Davis em "Um Limite Entre Nós".

O filme é baseado em uma peça teatral homônima, tratando de uma família em que o pai (Denzel Washington), jogador de basebol aposentado, é coletor de lixo para sobreviver, mas tem uma grande mágoa que projeta em todos amargurado por sentir-se frustrado em suas aspirações desde criança que era transformar-se em um grande astro desse esporte. Ele culpa a situação de racismo no meio em que participou. Mulher (Viola Davis), filhos, amigos e parentes têm que conviver com o autoritarismo e a imposição de suas ideias.
Direção: Denzel Washington. Com Viola Davis, Stephen Henderson, Jovan Adepo e outros.

Prêmio Globo de Ouro: Melhor Atriz Coadjuvante em Cinema (Viola Davis). 

Dia: 08/02/2017
Hora: 14 h
Local: Sala do GEPEM/UFPA - (IFCH, altos)

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

GEPEM/UFPA - LINHA DE PESQUISA GÊNERO(S), CORPO(S) E SEXUALIDADE(S)



Estamos reiniciando nossas atividades de estudo deste semestre!
Iremos reunir quinzenalmente em dois horários diferentes a fim de garantir a participação de um maior número de pessoas: terças-feiras de 14h às 17h e sextas-feiras de 9h às 12h.
Desta feita, elaboramos um programa de estudos que irá contemplar estudos mais antigos com a produção mais recente sobre corpo, sexualidade e gênero.
A dinâmica de funcionamento do grupo é a seguinte: a cada encontro estudamos dois textos que são apresentados por participantes do grupo e discutidos em comum numa roda de conversa.
Está feito o convite. Nosso primeiro encontro será dia 14/02, terça feira, às 15h, no Laboratório de Antropologia Arthur Napoleão Figueiredo.
Aguardamos você!
Maiores informações pelos e-mails: telmaral@ufpa.br (Telma Amaral) e edyroliveirajunior@gmail.com (Edyr Oliveira)
Segue abaixo, nossa programação:


PROGRAMAÇÃO DE LEITURAS DA LINHA “GÊNEROS, CORPOS E SEXUALIDADES”.

PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017
TEMA: ESTUDOS CLÁSSICOS E CONTEMPORÂNEOS: UM DIÁLOGO SOBRE CORPO, SEXUALIDADE E GÊNERO (Parte 1)
Dia: 14/02 (Terça-feira)
O CORPO NA TEORIA
Texto 1: Almeida, Miguel Vale de. 2004. O Corpo na Teoria Antropológica. Revista de Comunicação e Linguagens, 33: 49-66. Disponível em: . http://miguelvaledealmeida.net/wp-content/uploads/2008/06/o-corpo-na-teoria-antropologica.pdf.
Texto 2: Ferreira, Vítor Sérgio. 2013. Resgastes sociológicos do corpo: esboço de um percurso conceptual. Análise Social XLVIII(208): 494-528. Disponível em <http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/AS_208_a01.pdf>.


Dia: 03/03 (Sexta-feira)
CORPO E SEXO: DESCOBERTAS E CONSTATAÇÕES
Texto 3: Laqueur, Thomas. Inventando o sexo. Corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumara, 2001, cap. 1. Da linguagem e da carne, pp. 13-40.
Texto 4: Del Priore, Mary. 2011. Primeiras rachaduras no muro da repressão, in Histórias íntimas: sexualidade e erotismo na história do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, pp. 76-100.

Dia: 14/03 (Terça-feira)
SEXO E SEXUALIDADE EM DEBATE
Texto 5: Rubin, Gayle. Pensando o Sexo: Notas para uma Teoria Radical das Políticas da Sexualidade. Cadernos Pagu(21) 2003 [1984].
Texto 6: Gregori, Maria Filomena. 2016. Risco e êxtase nas práticas eróticas. Cadernos Pagu (47): 01-21. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/18094449201600470016>.


Dia: 31/03 (Sexta-feira)
CORPORALIDADES
Texto 7: Saorín, José Turpín. 2016. Fenomenología corporal em Judith Butler. Una compleja relación. Rev. Nov. Tend. en antropol. (7): 229-261. Disponível em: <http://www.revistadeantropologia.es/Textos/N7/Fenomenologia%20corporal.pdf>. 
Texto 8: Sampaio, Fabrício de Sousa. 2015. O terceiro banheiro: fuga da “pedagogia do insulto” e/ou reforço da heteronormatividade? Periódicus 1(3): 131-151. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/14259/9861

Dia: 11/04 (Terça-feira)
CORPOS TRANS
Texto 9: Peres, Wiliam Siqueira. 2011. Travestis: corpos nômades, sexualidades múltiplas e direitos políticos, in Michel Foucault: sexualidade, corpo e direito. Editado por Souza, L. A. F. de; Sabatine, T. T. & Magalhães, B. R., pp. 69-104. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica.
Texto 10: Pelúcio, Larissa. 2011. Corpos indóceis: a gramática erótica do sexo transnacional e as travestis que desafiam fronteiras, in Michel Foucault: sexualidade, corpo e direito. Editado por Souza, L. A. F. de; Sabatine, T. T. & Magalhães, B. R., pp. 105-132. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica.



Dia 28/04 (Sexta-feira)
TECNOLOGIAS DE GÊNERO
Texto 11: Haraway, Donna. Manifesto Ciborgue Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. 1985.

Dia: 09/05 (Terça-feira)
CIÊNCIA E CORPO
Texto 12: Mines Cuenya, Ana. 2013. ¿Tod@s somos cyborgs? El cuerpo y los limites de la naturaleza y la cultura desde uma perspectiva feminista, in X Jornadas de Sociología. Faculdad de Ciencias Sociales, Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires. Disponível em: <http://cdsa.aacademica.org/000-038/406.pdf>.  
Texto 13: Manica, Daniela Tornelli e Galvez-Ramirez, Martha. 2015. Tecnociência, corpos, gênero e sexualidade. Mediações. Londrina. Vol.20N, p. 11-47, JAN/JUN 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/23251

Dia: 26/05 (Sexta-feira)
 (DES)NATURALIZANDO O FEMININO PELA CIÊNCIA
Texto 14: Freire, Maria Martha de Luna. 2009. Higienizando corpos, mentes e lares, in Mulheres, mães e médicos. Editado por ____, pp. 147-203. Rio de Janeiro: Editora FGV.  
Texto 15: Silva, Marcelle Jacinto da; Paiva, Antonio Cristian Saraiva & Costa, Irlena Maria Malheiros da. A vagina pós-orgânica: intervenções e saberes sobre o corpo feminino acerca do “embelezamento íntimo”. 2017. Horiz. antropol. 47(23): 259-281. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/s0104-71832017000100009>.



domingo, 29 de janeiro de 2017

CINE-GÊNERO - ESTRELAS ALÉM DO TEMPO

Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe)

CINE-GÊNERO

ESTRELAS ALÉM DO TEMPO (Hidden Figures, EUA, 2016)
Dia: 02/02/2017
Hora: 14 h
Local: Sala de Pesquisa do GEPEM/UFPA


Uma das atividades da Linha de Pesquisa GÊNERO, FEMINISMOS, INTERSECCIONALIDADE tem sido a leitura dirigida do livro “O Segundo Sexo”, de Simone de Beauvoir. As sessões de estudo já foram iniciadas neste 2017, com leitura e debate de pontos importantes da II Parte – História – do Livro 1 – Fatos e Mitos.
As/os participantes dessa atividade, na última sessão, optaram por combinar outras produções ao processo e escolheram a exibição de um filme com as mesclas da história de mulheres. No caso do filme, são mulheres negras norte-americanas que em 1961, em plena Guerra Fria entre EUA e URSS disputando a corrida espacial e, entre seus técnicos, há brancos e negros trabalhando em separado. Há três mulheres - Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe) – expertises na área matemática que mostram por sua competência o seu conhecimento acima dos homens brancos que lotam as salas. Mas a luta racial é demonstrada nessa história que elas constroem em tempo de luta anti-racismo, com marcas da presença de Martin Luther King iniciando as pressões.

O modo como as três mulheres administram a situação familiar, o afeto, a política de inclusão e o emprego é um dos pontos altos do filme.